[Resenha] O Homem De Giz


Título Original: The Chalk Man 

Autora: C. J. Tudor 

Editora: Intrínseca 

Páginas: 270 

Ano Lançamento: 2018  

Assassinato e sinais misteriosos em uma trama para fãs de Stranger Things e Stephen King.

Em 1986, Eddie e os amigos passam a maior parte dos dias andando de bicicleta pela pacata vizinhança em busca de aventuras. Os desenhos a giz são seu código secreto: homenzinhos rabiscados no asfalto; mensagens que só eles entendem. Mas um desenho misterioso leva o grupo de crianças até um corpo desmembrado e espalhado em um bosque. Depois disso, nada mais é como antes. 

Em 2016, Eddie se esforça para superar o passado, até que um dia ele e os amigos de infância recebem um mesmo aviso: o desenho de um homem de giz enforcado. Quando um dos amigos aparece morto, Eddie tem certeza de que precisa descobrir o que de fato aconteceu trinta anos atrás. 

Alternando habilidosamente entre presente e passado, O Homem de Giz traz o melhor do suspense: personagens maravilhosamente construídos, mistérios de prender o fôlego e reviravoltas que vão impressionar até os leitores mais escaldados. 

Impressões: 

C. J. Tudor apresenta um livro recheado de suspense, terror e muito mistério, lembrando algumas obras de Stephen King, porém cada m seguindo seu próprio estilo literário e modo de apresentar uma história única. 

O leitor vai conhecer Eddie e seus amigos, que forma uma “gangue” na juventude, passando maior parte do tempo andando de bicicleta em busca de aventura e adrenalina, algo para quebrar toda monotonia da cidade. 

Essa mesma gangue possui um código secreto, homenzinhos rabiscado no asfalto, são mensagens que eles próprio criaram, ou seja, apenas eles reconhecem toda regra e sinais apresentados nos desenhos. 

C.J. possui uma escrita impecável, deixando o leitor instigado em cada página escrita. A obra intercala entre 1986 e 2016, o diferencial é da autora sempre deixar um ponto de interrogação para o leitor em cada final de capítulo. 

Esse mesmo código secreto, já mencionado anteriormente, leva toda gangue de Eddie para um caminho sem volta, eles acabam seguindo e encontrando o corpo de uma menina desmembrado, é a partir daí que começam acontecer coisas bizarras na vida das crianças. 

Outro diferencial da obra, é a construção dos personagens, cada qual com suas características marcantes. Ponto positivo para autora, conseguiu criar elementos únicos em personagens primários e secundários, deixando assim, todo um dinamismo na história. 

Eddie é o protagonista de toda trama, por isso o leitor ficara ainda mais próximo dele, pois ele é toda chave para entender os reais motivos dos desenhos de giz e o assassinato da garota. 

Outro ponto positivo da obra é em relação do bate e volta no tempo, na maioria dos livros isso torna toda história enfadonha e enjoativa, entretanto! O Homem de Giz deixa evidente todo o talento da autora em manter fluído o enredo, mesmo usando esse artificio de passado e presente. 

Editora Intrínseca fez um trabalho extraordinário, edição de capa dura. Possuindo bons espaçamentos e uma boa fonte, proporcionando uma leitura agradável em qualquer horário do dia e da noite. 

Uma cidade pacata é abalada por um assassinato brutal, uma gangue de meninos está no meio de toda essa tempestade que parecer nunca acabar.


Comentários

  1. Adorei o super capricho dessa resenha do livro! Confesso que o meu interesse por esse livro geralmente tem seus altos e baixos rs'. Como por exemplo, agora lendo a sua resenha, já despertou novamente o meu interesse pelo enredo do livro. Achei super intrigante esse ar de assassinato e sinais misteriosos em uma trama digna de Stranger Things e Stephen King.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem? Vi muitas pessoas indicando essa leitura e gostei bastante do enredo principalmente por toda a ambientação e também pelo tom de mistério. Outro aspecto que acho bem legal nos livros é essa dinâmica passado/presente. Aprendemos muito sobre os personagens. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  3. Esse está na minha listinha há muito tempo, mas sempre passo alguns na frente. Mas espero ler em breve. Parabéns pela resenha ficou show. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Rafael, eu adorei sua resenha. Sou super fã da Tudor e da escrita da autora. Já li e resenhei os dois livros dela. Ela tem um estilo muito gostoso. E as vezes lembra bastante meu amado King. Adorei. Beijão.

    Carol, do Coisas de Mineira

    ResponderExcluir
  5. Uau
    Adorei sua resenha
    Sua empolgação no texto foi incrível
    Estou com esse livro na minha estante na edição dos intrínsecos. Qual quer hora pego para ler

    ResponderExcluir

Postar um comentário